Lançamentos

Ficção
Crônicas poéticas
Poesia

A poesia exuberante de Raquel Lima

ocupa o Teatro Romano de Lisboa

a minha liberdade

sempre foi

a mais cruel

é a liberdade da puta amedrontada

que sente tudo mas não sente nada

liberdade sem religião,
nem cura nem terço,

sem abrigo