Guilherme Purvin fala sobre seu livro "Virando o Ipiranga"

Autor detalha as inspirações do livro "Virando o Ipiranga", recém lançado pela Terra Redonda Editora, e também de seus dois primeiros livros, "Laboratório de Manipulação" e "Sambas & Polonaises". todos à venda em nosso site.



Guilerme Purvin conta que “Virando o Ipiranga” é seu terceiro livro de contos. Em 2017, lançou “Laboratório de Manipulação” e, em 2019, “Sambas & Polonaises”. Ele diz que o livro está relacionado à infância: “São lembranças minhas, de muitas cenas que vivi, logicamente com as distorções da lente da ficção”. Guilherme também conta que gosta muito “de fazer as ilustrações dos livros que eu escrevo”.


Ele comenta detalhes da capa do livro “Virando o Ipiranga”, uma colagem de sua autoria. Ela tem por cenário o Museu do Ipiranga (que será reinaugurado para o bicentenário da Independência, em 2022), com personagens misturados de um modo surrealista: dom Pedro I; a roqueira Rita Lee, Paulo Vanzolini, que era diretor do Museu de Zoologia da USP, em primeiro plano aparecem Adoniran Barbosa, Oswald de Andrade, João Bananere e Mário Manga, guitarrista do grupo Premê. Tem também uma imagem de Jesus Cristo com as crianças, fachada do colégio Cardeal Motta; um personagem do filme Solaris, de André Tarkovski, o National Kid e discos voadores.


Confira os livros de Guilherme Purvin à venda no site da Terra Redonda:

- “Virando o Ipiranga” (2021)

- “Sambas & Polonaises” (2019)

- “Laboratório de Manipulação” (2017)


E mais a trilogia “Velho Imperio sem Czar”, em coautoria com Guian de Bastos e assinada com o pseudônimo Glautúrnio Polenta:

1- “A Batalha das Libélulas” (2012)

2- “A Queda da Babilônia” (2012)

3- “O Advogado que entrou no Armário” (2013)