O queridíssimo Gera Juncal partiu na tarde de hoje

Por Sergio Alli, editor da Terra Redonda.


Desde a semana passada, ele lutou contra as complicações de uma cirurgia. Mais uma vez lutou como um valente, como sempre fez pelas causas mais justas, em especial na luta pelo direito à moradia e à dignidade para todas as pessoas. No domingo, fiz um poema pra ele.


O Gera gere o desenho, ferro, areia, madeira, brita, cimento torna tudo moradia e põe todo mundo lá dentro do seu coração


O Gera gera crianças, seus filhos, e versos, estrofes e estribilhos, gera palavras de ordem, gera lutas, lideranças e muitas esperanças.


O Gera é tão incrível que da noite pro dia, quando menos podia, se aproxima da dor, vira um doce guerreiro e um gerador de toda essa energia com que nos toca e transforma para lhe enviamos de volta na forma do nosso amor e afastarmos o mal

do nosso Gera Genial.