Por que homenagens a escravocratas como Borba Gato devem sumir do mapa

Por Guilherme Soares Dias, na coluna Quadro-Negro (de Dodo Azevedo), na Folha



Cerca de 50 pessoas colocaram fogo na estátua de Borba Gato, localizada na praça Augusto Tortorelo de Araújo, no bairro de Santo Amaro, em São Paulo, neste sábado (24). Uma bandeira com os dizeres “Revolução Periférica” foi estendida em frente ao monumento inaugurado em 1963. A estátua de Borba Gato, do escultor Júlio Guerra, homenageia um líder bandeirante responsável por ações violentas e escravização de indígenas e negros.


A retirada da homenagem à racistas e escravocratas veio à tona em várias cidades do mundo após a morte de George Floyd em maio de 2020. Em países como Bélgica, Inglaterra, Colômbia e Martinica estátuas de escravocratas já caíram. Aqui no Brasil, o debate sobre a retirada é endossado por especialistas e faz reparação histórica. “Quem não contou essas histórias? Por que não as fez nem as faz? Quais mecanismos do saber atuam para apagar essas memórias? A retirada (de estátuas) também joga luz sobre as práticas de racismo hoje, nos convida a refletir sobre a quem pertence o espaço público, que figuras devem lá figurar (se é que alguma deve), que demais opiniões importam nesse debate antes reservado aos ‘especialistas’”, afirma o curador de arte e antropólogo Hélio Menezes.


“Ao se retirar o monumento racista, se retira a autoridade discursiva dos que se dizem dele especialistas. Retira-se também a máscara de quem os defende -não nos enganemos- porque estão querendo defender é a si mesmos. E a seus próprios pedestais”, conclui Hélio Menezes.


Monumento é a memória que tem que ser preservada para o futuro, ressaltou o doutor em filosofia e teoria do direito pela USP Silvio Almeida em sua participação no programa Roda Viva, da TV Cultura. “Algumas estátuas marcam derrotas (do povo negro) e são continuidades da escravidão. O espaço público tem que ser reconfigurado. Retirar estátua é ato político. Revisionismo histórico é não querer que o fluxo da história siga seu rumo. Tem gente que chora por estatua, mas não chora quando morre um negro”, pontuou.


No caso de São Paulo, uma das estátuas mais emblemáticas de homenagem aos bandeirantes: a de Borba Gato, que fica em Santo Amaro, na região sul, carrega ainda um outro problema. “Fato: a estátua de Borba Gato é mais feia do que Satanás chupando uma fruta-do-conde. Poucas coisas diminuiriam mais a FIB (Feiúra Interna Bruta) de Santo Amaro do que uma discreta remoção da estátua e sua substituição por, sei lá, uma muda de ipê-amarelo”, como lembra o jornalista Reinaldo José Lopes.


Nabil Bonduki, professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP e ex-vereador de São Paulo ressalta que há “dificuldade de romper com a história oficial de São Paulo, construída sobre uma farsa, solidamente fincada no ideário dominante paulista”.


“A exaltação dos bandeirantes é profunda e está presente em um variado espectro de elementos”, escreve.


O chamado “racismo urbano”, homenagem a figuras escravocratas e ou racistas, e o apagamento de heróis negros é presente na maior parte das cidades brasileiras. Um debate que a sociedade ainda precisa fazer e o poder público se rever. O Guia Negro, site que fundei, criou um abaixo assinado para retirar os monumentos racistas de São Paulo. A intenção é apoiar o projeto de lei 404/2020 da deputada estadual Erica Malunguinho (PSOL-SP). A intenção é proibir honrarias para escravocratas e para qualquer pessoa que tenha sido condenada por prática de crimes contra a humanidade, exploração do trabalho escravo e racismo.


Os monumentos são materiais da história. Eles são utilizados para documentar o passado das sociedades e dos povos, em contextos atravessados por disputas políticas em torno dos temas, personagens e abordagens que são incluídos na memória coletiva. Assim foi elaborada a história oficial do Estado brasileiro, que está baseada em narrativas excludentes em relação às experiências dos povos negros e indígenas.


Substituir estátuas, nomes de ruas, rodovias, praças e aeroportos é urgente. São Paulo, por exemplo, tem apenas uma estátua que homenageia uma mulher negra: a mãe preta, no largo Paissandu, esculpida pelo mesmo Julio Guerra. Ela não coloca as mulheres negras em lugar de heroísmo ou potência, mas de subserviência, reforçando um dos estereótipos dados a pessoas negras.


A estátua que homenageia Zumbi, por exemplo, é minúscula e passa quase despercebida no praça Antônio Prado. Por isso, tirar a estátua de Borba Gato, que tem dez metros de altura, e homenagear heróis que representem a maioria da população brasileira, negra e indígena, é tarefa importante que deve ser assumida por governantes, empresas e sociedade.


____________

Guilherme Soares Dias é jornalista, consultor, organizador da Caminhada São Paulo Negra e fundador do Guia Negro.

10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo